sexta-feira, junho 26, 2009

Sobre 'Um Conto de Ônibus'

'Um Conto de Ônibus': está aí o conto que nunca foi meu favorito, mas faturou dois prêmios nacionais, um no ano de 2007, realizado pela secretaria de cultura da cidade de São Sebastião do Paraíso, em Minas Gerais, e outro em 2008, promovido pela Fundação Cultural de Canoas, Rio Grande Sul.

Em Minas Gerais, a premiação foi um fiasco. Ganhei uma plaquinha e um certificado via correio, como prêmio de consolação. Nem ao telefone ganhei grandes explicações sobre a divulgação do conto no site da prefeitura - a organização do concurso se comprovava cada vez mais especializada em desorganização de concursos. Porém, na última seleção, Canoas cumpriu com todos os prometidos do edital e, agora, 'Um Conto de Ônibus' tem duas páginas na coletânea dos selecionados na edição do ano passado (categorias conto, poesia e crônica). Meu nome está lá, singelo, ostentando menção honrosa na categoria conto. Os cinco exemplares da publicação a que tive direito são, pra mim, como uma prova de que preciso vencer o medo da exposição e acreditar um pouco mais naquilo que faço com tanto prazer.

Mas, ok, se este conto não é meu favorito, por que o escolhi para os concursos? Na verdade foi por, na época, eu sentir que ele estava pronto, rendondo, com início, meio e fim bem encontrados e, principalmente, por ter ritmo próprio. Acho que é isso, a coisa do ritmo que agradou as duas bancas, porque não vejo nada de especialíssimo nele em conteúdo. Mas o ritmo sim: adoro ler, reler e ler outra vez - aos meus olhos e ouvidos, sem modéstia, este conto cai bem.

Pra quem ainda não leu, segue 'Um Conto de Ônibus' publicado no ultimo post deste blog, para apreciação (ou não, hehe), em espaço livre para julgamentos.

Sofia

2 comentários:

Leandro disse...

Querida, muito bom o conto! O final é perfeito, como lhe disse. Parabéns! E não pare, quero ler mais!

Rao disse...

Nossa....que blog gigante.