segunda-feira, março 03, 2008

Não havia retrato no qual coubesse aquela manhã. A praça em que os dois estiveram era grande demais para uma foto. Pelo menos um dedo do colarinho do chopp de cada um deles ficaria de fora da figura. A criança na praça era muito ruiva, era lindíssima, e havia acordado tão cedo pra brincar com os pássaros que, provavelmente, acabaria de fora em uma fotografia só. Tudo ali, aliás, parecia muito maior do que poderia pintar. Se pudesse ter a foto da manhã, nada deveria deixar faltar, se sorriso ou vergonha, cansaço vencido, bocas ou caminho, do contrário haveria o risco de perder a hora exata do relógio que faltou na noite anterior.

Na noite de antes daquela manhã, a hora certa não tinha segundo nem minuto, porque já era tarde demais pra isso. Era uma hora cheia e muito maior do que esperava, mas não é possível estimar o momento exato em que o ponteiro parou. Já era noite demais, escuro demais, o bastante tarde pra voltar no tempo e não perguntar que horas poderiam ser.

Apenas poucos números e letras ficariam, soltos numa música alta demais na hora certa daquela noite, e nem mesmo os mais medíocres puderam se perder.

No seguinte veio o espanto, sem bruma, só susto, e se algum dos dois acabou se perguntando baixinho que coisa ali fazia, nessa hora exata o ponteiro do relógio que não existiu antes voltou a funcionar, deixando o tempo tão pequeno que não houve jeito da dúvida seguir ninguém.

O relógio rodou, mesmo sem convite pra essa história. Não houve tempo, então, ninguém tirou fotografia nenhuma daquela manhã. Cada quadro possível mas não feito, agora, aos poucos, teima em desaparecer por detrás dos olhos, atendendo aos apelos do tempo, soberano
.

7 comentários:

Rafael disse...

O tempo todo o tempo passa e os lugares estão no lugar... já seu texto é sempre novo quando leio... escolher palavras é sempre uma arte... grande beijo.. Fozzy

OÓCIO disse...

Transitório, saudades.
Não é um "comentário comentário", mas esse texto tem pra mim uma cara de fotografia em sépia danada.

Polêmica disse...

gostei muito dos seus posts!

Anónimo disse...

estou aqui a copiar seus posts e ler melhor depois. Organizo uma viagem para o caribe venezuelano. Vou partir de BsB a Boa Vista de Avião e depois seguir de ônibus.

valeu pelo q dissestes aqui.

grande abraço.
keko.
ccxavier@hotmail.com

jorgeferreira disse...

hey...depois de muito tempo...volto aqui pra dizer que o rasgamortalha esta morto. e que em breve eu estarei de novo blog....
gostaria que a gente retomasse esse contato...grande abraco
jorge ferreira

Transitorio disse...

Jorge! Mas, e então, qual será o seu novo contato?
Adoraria mantê-lo...
Bjão!
Transitório (Sofia)

Zaphod B. O presidente da galáxia disse...

elegia a um momento perdido, suave e transitório.

presente é um futuro que já é passado mas presente si só na memória.